14 janeiro, 2009

A insulina e o emagrecimento

Hoje sabemos que a principal causa de obesidade é o consumo desenfreado de carboidratos.
Em última analise todos os carboidratos devem ser transformados em glicose, pois ela é o combustível que vai ser usado dentro das mitocôndrias (organelas que existem dentro das células) para gerar a juntamente com o oxigênio que respiramos, a energia que nosso corpo precisa para funcionar.
Mas para adentrar o interior das células, a glicose precisa passar pela membrana celular, e isso só pode ser feito com a ajuda da insulina, um hormônio produzido pelo pâncreas.
Acontece que em quem esta acima do peso, o pâncreas tem que produzir cada vez mais insulina, pois com o sangue cheio de açúcar, a membrana celular fica como que caramelizada, dificultando a ação da insulina, a isso chamamos de resistência à insulina. Este é o primeiro passo para a obesidade, diabetes e outras patologias crônicas e degenerativas.
Agora vejamos alguns dos fenômenos que ocorrem quando temos excesso de insulina no sangue:
1. Não conseguimos gerar energia a partir do tecido gorduroso, pelo contrario, a insulina alta estimula a formação de ácidos graxos (blocos básicos de gorduras) e triglicerídeos que vão ser armazenados nas células gordurosas.
2. Com a insulina alta, nossa fome e desejo de comer doces são praticamente constantes, pois como esta glicose não entra na célula, estamos sem energia.
3. O corpo passa a reter mais sal e água e diminui a eliminação de líquidos e aparece o inchaço e a elevação da pressão arterial.
4. Os aminoácidos que são utilizados para produção dos neurotransmissores (serotonina, dopamina) diminuem, e surgem a irritabilidade, sono irregular e a depressão.
Estes são apenas alguns dos efeitos principais de uma taxa elevada de insulina, para solucionar este desequilíbrio, o remédio mais eficaz é a adoção de um tratamento que envolva uma mudança de hábitos alimentares, atividade física adequada, fitoterapia, acupuntura entre ostras terapias.
E por fim um conselho que dou a todos os meus pacientes “Não queira ser emagrecida (o) pelo seu medico, comprometa-se com o tratamento, faça sua parte!!”


Como os carboidratos viram gordura
Com açúcar sobrando na circulação, primeiro nosso corpo o transforma em glicogênio, que fica armazenado no fígado e nos músculos, e são nossas reservas mais imediatas de energia. Como esta capacidade de armazenamento tem certo limite, o que sobrar de glicose, será convertida em ácidos graxos (moléculas básicas de gordura) e posteriormente em triglicerídeos, que vão ser armazenados, adivinhe onde, no tecido gorduroso. Nas mulheres se armazenam mais da cintura para baixo e nos homens mais no abdômen.
Mas como sair desta armadilha metabólica?
É simples, mas não é fácil, pois temos de romper com o ciclo: comer carboidratos, picos de insulina, mais desejo de comer carboidratos, ganho de peso.
O caminho passa, antes de uma reeducação alimentar profunda, por uma redução drástica e temporária, do consumo de qualquer tipo de carboidrato, seja ele refinado ou complexo.
Esta conduta vai praticamente reduzir o nível de insulina e forçar o corpo a buscar uma nova fonte de energia, e você já sabe onde, no tecido gorduroso. Isto acontece porque com a insulina em baixa, entra em ação outro hormônio, menos conhecido, chamado glucagon, que vai ao tecido gorduroso e estimula a conversão dos triglicerídeos em ácidos graxos e depois glicose, o contrario do que fez o excesso de insulina. E a partir deste, ponto a gordura começa a ser utilizada como combustível no fígado, num processo conhecido cetose.
Até aqui vimos de forma bem resumida o metabolismo dos carboidratos, no que concerne ao ganho de peso.
Mas e as gorduras, não engordam?
Sem dúvida que sim, mas há um detalhe muito importante, nos temos uma resposta de saciedade para gordura, isto é depois de ingerir determinada quantia de gordura sem presença de carboidratos, no geral passamos a ter aversão por ela e paramos de comer. Com os carboidratos refinados, esta resposta por conta dos picos de insulina, fica comprometida, e logo em seguida queremos comer novamente.
A comprovação prática para esta questão das gorduras é o sucesso da dieta do Dr. Atkins, que permite a ingestão de quantidades enormes de proteínas e gorduras, com exclusão total de carboidratos, que produz sem dúvidas emagrecimento. Aqui cabe ressaltar que esta dieta, embora produza emagrecimento, do meu ponto de vista não é saudável e leva a aumentos patológicos dos níveis de colesterol.
Penso que o consumo exagerado da associação de carboidratos refinados e gorduras devem ser considerados a principal causa de obesidade na atualidade.
Como estamos falando de macro-nutrientes, algumas palavras sobre as proteínas, são as mocinhas desta historia toda, pois na pratica não engordam e de quebra, sua ingestão ajuda a aumentar o metabolismo e aumenta a nossa sensação de saciedade.
Porque as dietas puramente de restrição calórica funcionam limitadamente?
Como vimos, nosso combustível preferencial é a glicose, depois vem as gorduras e por fim as proteínas, isso dentro de uma fisiologia normal, isto é, sem excesso de peso.
Na situação de excesso de peso, a via de queima de gorduras não funciona adequadamente. Na falta dos carboidratos, passamos a quebrar proteínas para gerar energia, o que é um péssimo negócio, metabolicamente falando.
Nas dietas altamente restritivas ou durante o uso de medicamentos que inibem o apetite, uma percentagem do emagrecimento é por conta da perda de massa muscular para gerar energia. Este emagrecimento, que numa primeira vista pode parecer positivo, é ilusório, pois se perdeu tecido muscular, que dificilmente será reposto.
Como estas dietas são feitas por pouco tempo e não se preocupam em fazer uma reeducação alimentar, ao voltar ao padrão alimentar antigo, a pessoa vai ganhar mais peso e com mais facilidade e rapidez, pois já não conta mais com a mesma massa muscular que queimava calorias, e que foi consumida durante a dieta. Isso explica o famoso efeito sanfona.
Existem vários caminhos para emagrecer, todos precisam de comprometimento do paciente, não se iluda não há caminho fácil, rápido e nem atalhos.
Para sair deste desequilíbrio metabólico, você precisa ter uma reeducação alimentar e atividade física. Outros métodos como acupuntura, fitoterapia, terapia antioxidante, devem ser coadjuvantes do tratamento, vão ser usados quando necessários.
E principalmente “Não queira ser emagrecida (o) pelo seu médico, faça a sua parte e tenha persistência, os resultados virão”.



Dr. Fabio Miranda Pisani
CRM 43711
Acupuntura, Terapia Antioxidante e Fitoterapia Chinesa
R Dr. Vieira Bueno, 142, Cambuí
Campinas, SP, CEP 13024-040
Fones: Clínica: 19 3254-4012 e 3254-0747
Site: www.fabiopisani.med.br

37 comentários:

Marcia Martins disse...

Muito didático e esclarecedor este artigo. Penso que uma das formas de controlar os desvios metabolicos, seria entender didaticamente o que e como se processam estes eventos em nosso corpo. Gostaria de fazer um tratamento utilizando acunpuntura e se houver indicaçao na cidade de Sao Paulo, periria que entrasse em contato. Parabéns mais uma vez pela clareza, simplicidade e esclareciemnto descrito.
Márcia Martins Felipe

Ana Paula disse...

Obrigada pelo esclarecimento,pois descobri que estou com a insulina alta e não sabia a causa, agora que li em seu blogger estou mais tranquila e confiante na minha recuperação.

Anônimo disse...

Isto é a primeira explicação cientifica que alguem me deu depois de mais de 20 anos perambulando por médicos e médicos, acreditando ter depressão, sindrome do pânico, tomar altas doses de remédios que me custaram os olhos da cara e não me curaram em nada. Perdi ótimos empregos, etc. e infelizmente, depois de perder o meu pai com 81 anos descobri que tenho a insulina alta e aboli os carboidratos e açucares da minha vida, em apenas 2semanas já perdi 3 quilos, sinto-me bem melhor, com disposição para "viver" algo que o açucar havia me roubado. Tenho uma filha de 3 anos, depois de tirar este veneno da minha vida sinto que poderei vê-la crescer. Estou muito feliz e aconselhor a todos que possam, tirem o açucar e os carboidratros da sua vida !!!!O preço que ele cobra é muito alto não vale a pena !

Jaqueline disse...

Simplesmente maravilhoso o artigo, esclareceu muitas dúvidas, obrigada, quando mandar embora os muitos quilos que me impedem de ser feliz, após recuperar minha saúde, deixo um recado, sobre meu sucesso!!!!

Anônimo disse...

A minha nutricionista pediu uns exames entre eles a taxa de insulina e a mesma deu muito alta. Ela me explicou o que isso produz e aqui o artigo esclarece mais um pouco; a minha retenção de líquidos a irritabilidade, a depressão as noites mal dormidas, a dificuldade de emagrecer. Agora ele me passou um programa de 4 semanas que começa cortando drasticamente os carboidratos.

liane ssc disse...

Está excelente essa explicação, mas onde encontrar médicos atualizados para orientar melhor seus pacientes?
Em Niterói-RJ por exemplo.
Obrigada.

Rosa Firmino disse...

Maravilhoso saber isso, depois de perambular de medico em medico com esteatose eles dizendo que não era nada e daí agora me vi com a insulina em jejum 28.50 e a pós prandial com 88.40 uUl/ml.
me fez entender tudo o que eu preciso fazer atividade fisica e dieta, principalmente tirando o carboidrato.
grata... muito grata mesmo! Abraços

Anônimo disse...

Muito bom! Pois os médicos nos diz o que temos, mas não nos esclarece o porque, fico grata pela sua explicação, tenho insulina alta e vou seguir seus conselhos!

Deise disse...

Estou acima do peso,tenho tireoide atrofiada e minha insulina está alta, vou começar uma reeducação alimentar para não sofrer mais no futuro.Achei bem ilucidativo este texto,obrigada.DEISE

Luan disse...

Parabéns pelo artigo muito bom!

denise ribeiro disse...

dr. muito obrigada,todas as informações foram muito exclarecedoras.passei a conhecer a dinamica do meu corpo.

lili disse...

Dr. Tenho obesidade, e com isso taxa de insulina basal alta (40,14).Porém, a glicemia em jejum é 93 e pós sobrecarga de 96 (normais). As taxas de colesterol, triglicérides, LDL, HDL, hemograma, etc...são normais. Sendo assim, meu endócrino receitou insulina como prevenção à diabetes.
Li no seu texto que a insulina basal é aquela que deve atravessar a membrana celular, e que a mesma não a atravessa, pois sua alta quantidade, dificulta e/ou impede esta ação.
Pergunto:
-Porque tomar mais insulina se produzo demais? Qual a ação metabólica está implícita aí? (Obs.: Estou tomando cloridrato de metformina).
-A alta taxa de insulina, pode ser considerada razão de não se conseguir emagrecer, uma vez que nos sentimos fatigados, sem energia e comemos mais açúcares para fazermos picos de energia?
Lili

Claudia capixaba disse...

Obrigada pela artigo esclarecedor. Minha taxa de insulina é alta e se eu não fizer nada estarei diabética em muito pouco tempo. O que o Sr. acha de tomar remédios tipo Glifage XR de ação prolongada para não sobrecarregar o pâncreas ? ou o melhor mesmo seria retirar açucares e carboidratos?

Anônimo disse...

Meus parabens, consegue ser mto claro e isso e raro entre medicos rsrs obrigada!

dani rib preto disse...

adorei o assunto, de facil entendimento e com um conteudo rico e esclarecedor. obrigada.

Anônimo disse...

Obrigada Dr pelos esclarecimentos, ontem fui ao medico e no meu exame constatou a insulia alta, como tenho pre disposição a ter diabetes, pois meu pai sofre disso, fiquei apavorada, mas lendo seu artigo e com as explicações do medico vi que tenho como combater esse mal, como vc mesmo disse, nao é o medico que tem que me emagrecer e sim eu mesmo que tenho que buscar uma vida mais saudavel... obrigada

Lize disse...

Tirei muitas dúvidas lendo este post.
Valeu a dica de sermos persistentes c nossa dieta e não esperar ser "emagrecida" ,pelo médico...rs

Mae desesperada! disse...

Dr. Fico muito agradecida pelo post. Uma dúvida me intriga, quem nasceu primeiro ( ovo ou a galinha? ) Tenho uma filha de 6 anos que vem ganhando peso ao longo desses anos, hoje já se encontra com uma obesidade grau II e sinto uma imensa dificuldade em fazer ela perder peso...submeto a dietas sem carboidratos e coloco muitos exercícios físico nela e mesmo assim, sinto o metabolismo dela atrasado...Os exames demonstraram que ela tem insulina alta e a tal resistência, descobri isso agora depois de 4 anos lutando para fazê-la perder peso sem sucesso (ao contrário, ela ganhou mais peso). Me sinto sem orientação e em um verdadeiro conflito. As pessoas notam sua atividade e sua alimentação positiva e mesmo assim, só temos insucessos. Sou uma mae desesperada e totalmente sem orientação. Minha casa virou uma casa da ditadura em que tudo não pode, e esse NAO ao invés de tomar com um bem, está virando um mal, interpretado aos olhos de uma menina de 6 anos como uma punição. A pessoa engorda porque a insulina tá alta e o metabolismo fica lerdo ou a insulina aumenta por conta da gordura? Agradeço sua atenção.

AndreaCDantas disse...

Andréa Dantas
Adorei suas consideraões, e de fato, não é tão simples fazer uma reeducação alimentar, mas é necessáro. Obrigada por sas informações, pude compreender claramente!

AndreaCDantas disse...

Adorei, muito esclarecedora suas considerações!!!

AndreaCDantas disse...

Adorei, muito esclarecedora suas considerações!!!

Carol Halker disse...

Dr., adorei suas considerações, e gostaria de colocar seu blog na minha lista, enfim, gostaria de segui-lo, mas não encontrei como, como faço?

Obrigada, Carol Halker

Anônimo disse...

Muito boa a explicação. Vai ajudar muito no processo de emagrecimento de um parente muito próximo que está com a insulina alta! Muito obrigada!

fatima disse...

Estou começando a entender o meu caso depois de ler esta explicaçao .Isso vai me ajudar muito no processo de emagrecimento.

Julia disse...

obrigado pela otima explicaçao, em poucos instantes pude entender o q 5 medicos pelo qual passei nao pode me explicar!!!!!!! valeu...
Julia Maciel

Anônimo disse...

Fiz vários exames para detectar um problema gastro, nada foi encontrado, mas um deles apontou alto índice de insulina. Tenho hipotiroidismo, cuido de minha alimentação e faço exercícios constantes. Já foi apontado que estou acima do peso, mas como muito pouco, como falei tenho uma alimentação controlada. Depois que fiquei sabendo da insulina, não fui ao meu endo, mas o que preciso fazer para não engordar?

Anônimo disse...

Doutor, será que não houve um engano quando afirma que que a insulinaestá alta quando na verdade trata-se da glicose que não esta sendo controlada pela pouca ou nenhuma produção de insulina?????

Anônimo disse...

Dr. Tenho um problema diferente, sou diabética há 22 anos e estou muito acima do peso e mesmo com dieta tenho muita dificuldade para perder. Gostaria de saber se tem alguma relação com a insulina que tomo e o que posso fazer pra melhorar

Anônimo disse...

Mas poderiam me explicar melhor por que o excesso da insulina pode causar a fraqueza muscular?

Obrigada;

Sheila Gonçalves disse...

Artigo realmente esclarecedor. O melhor que li. Descobri depois anos peregrinando por médicos que tenho insulina alta.
Vamos à luta.

marcia disse...

descobri que minha insulina está altíssima e por isso não perco peso, minha endocrinologista me passou um tratamento á base de metformina e galvus. Já estou percebendo a diferença, como diminuição do apetite e a vontade de doces, sem contar que a minha disposição também melhorou, pois antes vivia cansada.

Bella Silva disse...

Excelente, muito esclarecedor, vou salvar como meus favoritos. Parabéns!!

Bella Silva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Excelente, muito esclarecedor, vou salvar como meus favoritos. Parabéns!!!!!

Elaine Parreiras Laurindo Pereira disse...

Meu endocrinologista me pediu nívei de glicose, insulina basal e HOMA IR, fiquei preocupada quando vi o resultado, ainda não levie ao médico, mas os resultados foram Glicose 89mg/dl, insulina 33,6mU/dl e HOMA beta 466,83% e HOMA IR 7,38; o que significa isso?

Renato Sabbatini disse...

Seu médico quer te matar? Não se dá insulina a quem tem insulina alta, você vai ter uma hipoglicemia severa. Pule fora desse idiota. A metformina é indicada para prevenir diabetes, e mesmo assim em dose pequena, para não dar hipoglicemia. Consulte um bom endocrinologista.

Renato Sabbatini disse...

Bem explicadinho, doutor. Só há uma informação que não reflete o que as pesquisas científicas publicadas, de qualidade, descobriram sobre a dieta hipercetótica (como Atkins): ela abaixa o colesterol, e não eleva como você afirmou no seu artigo, o que pode levar as pessoas a temerem essa importante forma de combate da obesidade. O que causa o aumento do colesterol são os altos níveis de ingestão de carboidratos, principalmente amidos. Acesse esta meta-análise, por favor: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22905670

Dr. Renato M.E. Sabbatini (PhD em Fisiologia pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP)